cead20136

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Asma Conheça essa doença do sistema respiratório

Existem diversas doenças que afetam o nosso sistema respiratório. Suas origens são tão diversas quanto os seus sintomas e o seu grau de severidade. Há doenças causadas por vírus, como a gripe e a pneumonia; por bactérias, como é o caso da tuberculose; pela exposição a agentes alergênicos, como alguns tipos de rinite; além daquelas de origem genética ou que surgem devido a fatores ambientais aliados a hábitos de vida, como o câncer de laringe e de pulmão. Dentre essas afecções, também se encontra a asma.

Doença crônica
A asma, também conhecida como bronquite asmática, é uma doença crônica que atinge cerca de 150 milhões de pessoas no mundo. Caracteriza-se pela inflamação das vias respiratórias. Chamamos de "doença crônica" as patologias que se manifestam de forma recorrente ao longo de um período superior a três meses, ou, muitas vezes, por toda a vida do indivíduo.

O processo inflamatório pode ter início por diversos motivos. Em muitos casos, a exposição a elementos potencialmente alergênicos - como pó, ácaros e pólen - dispara essa resposta do sistema imunológico. Em outros, fatores irritantes das vias respiratórias - como poluição, fumaça de cigarro e cheiros fortes - são os responsáveis.

Outros motivos que disparam esse mecanismo: fatores emocionais - como estresse e ansiedade -, características climáticas - como frio ou tempo muito seco -, e, até mesmo, a prática de esportes ou a realização de um esforço físico mais intenso.

Porém, ainda não se sabe o porquê dos indivíduos asmáticos apresentarem essa reação. Suspeita-se que a doença possa ser hereditária, mas ainda não existem dados que comprovem tal teoria.

A inflamação ocorre principalmente nos brônquios (bifurcação da traquéia) e bronquíolos (ramificações dos brônquios), tubos que conduzem o ar da traquéia até os alvéolos, ou destes para a traquéia. Com a inflamação, ocorre a produção de uma grande quantidade de muco. Esse muco passa a recobrir as paredes dos brônquios e bronquíolos, provocando a constrição destas estruturas (bronquioconstrição), ou seja, uma diminuição do seu calibre.

Folha Imagem


Além disso, o processo inflamatório também desencadeia espasmos na musculatura lisa presente na parede dos bronquíolos, contribuindo para a sua constrição. Por sua vez, a constrição das paredes obstrui a passagem do ar, dificultando a respiração.

Sintomas
Os principais sintomas da asma são: dificuldade para respirar, tanto na inalação quanto na exalação; falta de ar; e produção de chiado durante a respiração, sendo esta a característica que deu origem ao nome da doença, pois, em grego, a palavra "asthma" significa respiração difícil ou sufocação.

A intensidade destes sintomas varia entre os indivíduos asmáticos, que podem apresentá-los de forma constante ou apenas durante crises da doença. De acordo com a freqüência e a intensidade das crises, a asma pode ser classificada em quatro categorias:

# Asma intermitente: quando as crises são curtas e ocorrem menos de quatro vezes ao mês.
# Asma persistente leve: quando as crises são curtas, mas ocorrem mais de quatro vezes ao mês.
# Asma persistente moderada: as crises podem ser curtas ou longas, porém ocorrem diariamente.
# Asma persistente grave: crises longas e diárias.

Tratamento
O tratamento da asma envolve o uso de medicamentos e a adoção de alguns cuidados e hábitos de vida. Entre os medicamentos, os mais utilizados são aqueles que contêm substâncias broncodilatadoras e antiinflamatórias. Os broncodilatadores dilatam os brônquios e bronquíolos, facilitando a passagem do ar; já os antiinflamatórios combatem o processo de inflamação, levando à diminuição do inchaço e do muco nas paredes do sistema respiratório. Geralmente, é uma mistura dessas substâncias que está presente nas famosas "bombinhas" de inalação, utilizadas pelos portadores da doença.

A adoção de alguns hábitos também é muito importante para a prevenção das crises. Entre eles, podemos citar o cuidado de evitar manter contato com os agentes que provocam as crises, como pó, fumaça de cigarro, ácaros, entre outros.

Umas das medidas que deve ser adotada é a limpeza diária do quarto e da cama do asmático, para reduzir a quantidade de pó e ácaros no ambiente. Sabe-se que, em média, cada grama de poeira possui cerca de 1.000 ácaros - e que um colchão pode ter de 10.000 até milhões desses organismos. Por isso, é necessário limpar diariamente o quarto com aspirador de pó e cobrir o colchão com uma capa removível, que deve ser lavada semanalmente em água quente, assim como os lençóis e cobertores. Estas medidas são simples e essenciais para a prevenção de crises asmáticas.

A asma é uma doença para a qual não há cura. Porém, com os medicamentos atuais e a adoção de medidas de prevenção, os asmáticos podem controlar e reduzir as crises, levando uma vida normal.
Alice Dantas Brites é professora de biologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário