cead20136

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Polinização A maneira pela qual as plantas se reproduzem


Colégio Estadual Dinah Gonçalves
email accbarroso@hotmail.com        



O objetivo principal de qualquer flor é atrair o agente polinizador, para garantir a perpetuação de espécie pela polinização. Os agentes polinizadores geralmente são insetos (entomofilia), aves (ornitofilia) e morcegos (quiropterofilia). Normalmente, as flores coloridas atraem seu agente com eficiência, devido aos diferentes tons e quantidade de cores.

Os insetos conseguem perceber tons que variam do amarelo ao vermelho com grande facilidade. As flores coloridas também se destacam entre os vários tons de verde da vegetação. Mas, as flores brancas não dispõem deste mecanismo, e, portanto utilizam o seu perfume. Este também é um mecanismo muito eficaz.

Após ser atraído, o inseto se alimenta e, ao retirar o néctar de uma planta, acaba levando o pólen dela para outra, garantindo assim a variabilidade genética. Mas quais são as partes da flor que recebem o pólen? Como ocorre a fecundação? Antes de responder estas questões, vejamos as partes de uma flor.

Partes da flor
Primeiramente as flores são formadas por três partes distintas, são elas;

* pedúnculo: parte que sustenta a flor e está ligada ao caule;
* receptáculo: porção dilatada do pedúnculo onde se encontram os verticilos florais;
* verticilos florais: cálice e a corola (estes servem para proteção) e androceu e gineceu (que servem para reprodução).



O cálice é o conjunto de sépalas (folhas verdes modificadas), enquanto que a corola corresponde ao conjunto de pétalas (folhas coloridas). O androceu é o órgão masculino da flor e é formado por estames. Os estames são formados por filete, antera e conectivo. Na antera se localizam dois sacos polínicos, local onde são produzidos e armazenados os grãos de pólen.

O gineceu é o órgão feminino da flor e é formado por um ou mais carpelos. O carpelo ou pistilo é formado por estigma, estilete e ovário. No interior do ovário podemos encontrar os óvulos. Algumas plantas amadurecem apenas um óvulo por ovário como, por exemplo, o pêssego, o abacate entre outros, enquanto outras plantas amadurecem vários óvulos como é o caso do tomate, melancia, etc.

O caminho do pólen
Agora que já desvendamos as partes da flor, vejamos o caminho que o pólen realiza para que ocorra a fecundação. A maioria das flores é hermafrodita, pois apresentam o androceu e o gineceu, mas geralmente as plantas não realizam a autofecundação, ou seja, o grão de pólen não atinge o seu estigma. Plantas como a ervilha são capazes de serem fecundadas antes mesmo da abertura da flor.

Há ainda flores hermafroditas em que isto não ocorre, pois no momento em que o pólen está sendo dissipado, o gineceu da mesma planta não se encontra "aberto", ou apresenta mecanismos para impedir a autofecundação, como maturidade dos gametas em momentos diferentes, ou disposição do androceu em relação ao gineceu.

Existe um grande caminho entre a formação de uma planta, abertura da flor, polinização, desenvolvimento do fruto e da semente, até o reinício de um novo ciclo no Reino plantae e só nos resta observar, contemplar e respeitar o tempo estipulado pela natureza.
Cristina Faganelli Braun Seixas é bióloga e professora no Colégio Núcleo Educacional da Granja Viana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário