cead20136

sábado, 22 de outubro de 2016

Fungos

Colégio Estadual Dinah Gonçalves
email accbarroso@hotmail.com        


► Fungos

Fungos, grupo formado por diversos organismos unicelulares ou pluricelulares que se alimentam através da absorção direta de nutrientes. Os alimentos dissolvem-se por causa das enzimas que eles secretam; em seguida, são absorvidos através da fina parede da célula e distribuem-se por difusão simples no protoplasma. Junto com as bactérias, os fungos são os causadores da putrefação e decomposição de toda a matéria orgânica.

Existem fungos em qualquer parte onde existam formas de vida. Alguns são parasitas de organismos vivos e produzem graves doenças em plantas e animais. Certos fungos vivem em simbiose com algas formando estruturas características chamadas líquens. A disciplina científica que estuda os fungos chama-se micologia. Os fungos figuravam nas antigas classificações como uma divisão do reino das Plantas; mas, atualmente, muitos cientistas os consideram um grupo completamente separado dos outros, que evoluiu a partir de flagelados sem pigmentos. Ambos os grupos se incluem no reino Protista. Também se classifica os fungos como um reino à parte, devido à complexidade de sua organização.

Existem cerca de cem mil espécies de fungos conhecidas. Os fungos são, em sua maioria, constituídos por fibras finas que contêm protoplasma, chamadas hifas. Em geral, elas são separadas por divisórias que recebem o nome de septos. Em cada hifa existe um ou dois núcleos e o protoplasma se move através de um pequeno poro situado no centro de cada septo. A proliferação de hifas, por alargamento das pontas ou por ramificação, chama-se micélio. Quando o micélio se desenvolve, pode chegar a formar grandes corpos frutíferos, tais como os cogumelos e a bufa-de-lobo. A maior parte dos fungos se reproduz por esporos, diminutas partículas de protoplasma rodeadas pela parede celular. Os esporos são formados de duas maneiras. No primeiro processo, originam-se depois da união de dois ou mais núcleos, o que ocorre dentro de uma ou de várias células especializadas. Os quatro tipos de esporos que se produzem desta maneira (oósporo, zigósporo, ascósporo e basidiósporo) definem os quatro grupos principais de fungos. Os oósporos se formam pela união de uma célula macho e outra fêmea; os zigósporos formam-se pela combinação de duas células sexuais similares. Os ascósporos, que costumam dispor-se em grupos de oito unidades, ficam contidos em bolsas chamadas ascos. Os basidiósporos, por sua vez, reúnem-se em conjuntos de quatro unidades dentro de estruturas com dentículos chamadas basídios. O outro processo mais comum de produção de esporos implica na transformação das hifas em numerosos segmentos sem a união prévia de dois núcleos.

Os principais tipos de esporos reprodutivos formados assim são: oídios, conídios e esporogônios. Estes últimos originam-se no interior de receptáculos, parecidos com vesículas, chamados esporângios. A maioria dos fungos produz esporos sexuais e assexuais. Os fungos são utilizados em diversos processos industriais, como a fermentação alcoólica, o processo de elaboração do pão, a fabricação de cola líquida, de tintas e corantes e a elaboração de antibióticos. Os micólogos englobam os fungos em quatro filos (divisões) principais: oomicetos (Oomycota), zigomicetos (Zygomycota), ascomicetos (Ascomycota) e basidiomicetos (Basidiomycota) e seus indivíduos formam, respectivamente, oósporos, zigósporos, ascósporos e basidiósporos. Muitas espécies são classificadas, de forma arbitrária, em um quinto filo: os deuteromicetos (Deuteromycota), também chamados fungos imperfeitos. Nesse grupo se incluem as espécies das quais se desconhece a forma pela qual produzem esporos.

"Fungos do lodo" (protistas semelhantes a fungos)

Estes protistas têm algumas semelhanças significativas com as amibas, como o alimentar por fogocitose, ou a quitina presente nas paredes celulares.

Reino Fungi: Os fungos tratam-se de microorganismos eucariontes, podendo ser uni ou pluricelulares (mais frequente) que não possuem clorofila, pelo que não podem sintetizar o seu próprio alimento a partir da matéria orgânica, ocorrendo assim que a sua alimentação se dá heterotroficamente, sendo: do tipo saprófito, caso apenas transformem a matéria orgânica em matéria inorgânica, através do lançamento de enzimas pelas hifas que degradam a matéria orgânica; ou simbiótico, caso dependam de um outro indivíduo para sobreviver, quer seja com benefício mútuo (como é o caso das cianobactérias que entram em simbiose com certas algas, obtendo glicose em troca de azoto), quer seja com benefício apenas para o fungo - parasita.

Quando saprófitos, os fungos vivem sobre a matéria orgânica, entre a qual lançam as suas hifas, que vão proceder à digestão extracorporal descrita, fazendo passar os nutrientes por todo o organismo do fungo.

Existem dois tipos de fungos: os bolores e as leveduras. Os bolores são caracterizados por crescerem em micélios, que se trata de uma espécie de tecido próprio dos fungos, constituído por filamentos celulares, chamados hifas. É de salientar que as hifas, podendo ser ou não septadas, possuem um citoplasma contínuo que pode conter vários núcleos. Quando as hifas septadas possuem um núcleo, são denominadas monocarióticas, mas quando possuem dois núcleos, são dicarióticas. Por sua vez, as hifas não septadas são sempre multinucleadas (hifas asseptadas cenocíticas).

Os fungos podem reproduzir-se sexuada ou assexuadamente. Quando se reproduzemn assexuadmente, podem fazê-lo através se fragmentação (cada fragmento do micélio origina novo fungo), gemiparidade (quando, nos unicelulares, se forma uma protuberância com um núcleo ligada à célula-mãe, que depois se liberta ou não), embora o processo mais frequente seja a esporulação. N aesporulação, formam-se estruturas, denominadas esporors, que são obtidas através de mitoses, e que ficam encerradas em esporângios (cuja ruptura provoca a libertação dos esporos) - endósporos obtidos pelo processo endogénico - ou se formam por gemulação sobre hifas especializadas, formamndo rosários que utilizam a membrana da hifa - exósporos obtidos por processo exogénico. Tanto os esporos endósporos como os exósporos são libertados em determinadas alturas do ano, sendo transportados por vários agentes naturais para outros locais, onde vão germinar.

Por sua vez, para que a taxa de variabilidade aumente, é necessário ocorrer reprodução sexuada. Nos fungos, que são organismos haploides, passa-se o seguinte: duas hifas de micélios diferentes, designadas estirpe + e estirpe -, formam na sua extremidade um gametêngio, os quais se vão fundir, após o que vai ocorrer fusão dos núcleos. Forma-se então o zigósporo, estrutura que possui uma parede bastante resistente, e no qual vai ocorrer uma meiose, dando de novo origem a células haplóides, ao que se vai seguir a formação de micélio a partir destas estruturas.

Os fungos foram inicialmente considerados plantas, mas cedo se notou as granmdes diferenças existentes entre estes doi stipos de organismos, nomeadamente a organização estrutural, a reprodução, e a nutrição (enqunato nas plantas é por fotossíntese, nos fungos é por absorção).

Os fungos possuem uma grande importância económica actualmente. As leveduras, por exemplo, são seres unicelulares que sob determinadas condições, podem desenvolver hifas densas. A ocorrência de fermentação nestes organismos permitiu a sua utilização na indústria, nomeadamente na fermentação do vinho e da cerveja.

Líquenes:Os líquenes não são mais do que uma associação entre bactérias (cianobactérias) ou algas (clorófitas) e as hifas de fungos simbiontes. Nestas associações, uma hifa especializada penetra na célula da alga, se for o caso, e retira nutrientes, enquanto fornace protecção e sais minerais áquela. No caso das cianobactérias, o fungo utiliza o axoto atmosférico criado por aquelas. Crê-se terem sido os líquenes que primeiro colonizaram o ambiente terrestre. Esta associação de organismo é sensível à a«poluição atmosférica, logo é mais provável encontrar-mos um destes organismos num local não poluido.

Micorrizas: Também estes são associações entre fungos e as raízes das plantas. Trata-se de uma simbiose com benefício mútuo, pois enquanto o fungo absorve água, com a sua estrutura esponjosa que penetra na raíz, e sais minerais, que partilha com a planta, esta fornece ao fungo açúcares a aminoácidos. Há uma maior taxa de spbrevivência em plantas que se associam a fungos do que as que não o fazem. É de salienter que se acredita que esta simbiose é já de longa data, pois foram encontrados fósseis de plantas que se encontraram em simbiose com fungos.

Haustórios: Este trata-se também um caso de fungo simbiote, mas desta vez parasita. As hifas destes fungos penetram nas células das plantas, captando o seu alimento, e por vezes provacando a sua morte.

Os fungos parasitas são um dos maiores pesadelos dos agricultores, pois são responsáveis pela destruição de culturas de pêssegos, milho, ameixas, damascos, entre outros. Há também exemplos de fungos parasitas do corpo humano, como é o exemplo do Tricophyton, que provoca o pé-de-atleta.
www.colaweb.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário