cead20136

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Colocação pronominal

"[...] a pronúncia brasileira diversificada da lusitana; daí resulta que a colocação pronominal em nosso falar espontâneo não coincide perfeitamente com o falar dos portugueses".

(Said Ali, Gramática Secundária da Língua Portuguesa, 4ª ed. São Paulo: Melhoramentos)

"A Gramática, alicerçada na tradição literária, ainda não se dispôs
a fazer concessões a algumas tendências do falar de brasileiros cultos, e não leva em conta as possibilidades estilísticas que os escritores conseguem extrair da colocação de pronomes átonos".

(Bechara, Evanildo Moderna Gramática Portuguesa, 37ª ed. rev. amp. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004)

Existem várias discussões em relação ao critério brasileiro da colocação pronominal face ao modelo português. Como bem salienta Evanildo Bechara, a linguística moderna pede que eles sejam revistos. No entanto, devido aos objetivos desta nossa pequena explanação, nos limitaremos a passar em revista os principais casos de colocação, de acordo com a norma prescritiva das gramáticas tradicionais.

Pronomes oblíquos átonosme/ te/ se/ o(s)/ a(s)/ lhe(s)/ nos/ vos

Há três colocações possíveis desses pronomes em relação ao verbo:








  • Próclise - o pronome vem antes do verbo. Ex.: Não me interessam seus motivos.
  • Ênclise - o pronome vem depois do verbo. Ex.: Interessam-me seus motivos.
  • Mesóclise - o pronome vem no meio do verbo: Ex.: Interessar-me-ão os seus motivos.

    A colocação do pronome átono obedece a várias normas, dentre elas, por exemplo, o número de verbos presentes na frase, se é formada de um só verbo ou mais de um (locução verbal) etc.

    Próclise

    1. Em orações subordinadas:
  • O pai pediu que o filho se afastasse. (substantiva objetiva direta)
  • Seria penoso conciliar o sono no estado de nervos em que me achava. (adjetiva restritiva)
  • Desci pelas escadas do sétimo andar, logo que o zelador do prédio me comunicou, pelo telefone, o acontecimento. (adverbial temporal)

    2. Com adjunto adverbial, sem pausa:
  • Naquela época se encontravam em seu cofre os brilhantes provindos de nossa atividade em Goiânia.

    Advérbios (hoje, aqui, sempre, talvez, muito...):
  • Ele sempre nos diz as mesmas palavras. Observação: Havendo pausa, o pronome vem depois do verbo.

    3. Oração iniciada por palavras interrogativa ou exclamativa:
  • Quem te contou isso?
  • Como você se engana!

    4. Junto de palavra de sentido negativo (não, nada, nem, nunca...):
  • Nunca o vi tão triste.
  • Notei, num casaco esporte, a falta de um botão, de cuja perda não me lembrava.

    5. Junto de pronomes (Relativos: que, quais, qual, onde.../ Indefinidos: alguém, muitos, todos, poucos.../ Demonstrativos: este, esta, aquele, aquilo...):
  • Todos me deram apoio.
  • Este é o garoto de quem lhe falei.
  • Muitos se dizem capazes de vencer.
  • Essa notícia me pegou de surpresa.

    6. Com o verbo no infinitivo precedido de preposição:
  • Até se darem conta do erro, passou muito tempo. (infinitivo)

    7. Com o verbo no gerúndio precedido da preposição em:
  • Em se discutindo esse assunto, apresente seus argumentos.

    Observação: Se gerúndio não for precedido de em, deve ocorrer ênclise (comparar com o item 3, a seguir).

    8. Em orações que exprimem desejo:
  • Os anjos te acompanhem!

    9. Conjunções (que, quando, embora, se, como...):
  • Espero que nos encontremos logo.

    Ênclise

    1. No início de oração:
  • "Disse-me o gerente: A polícia..."

    Observação: Na linguagem informal falada ou escrita, contudo, é comum iniciar-se a oração com pronome oblíquo átono.
  • Me diga aí qual foi o resultado do seu time.

    Observação: A próclise ou a ênclise em início de oração dependerá do tipo de linguagem que a situação e o contexto recomendam: formal ou informal, falada ou escrita.

    2. Com o verbo no imperativo afirmativo:
  • No jantar, alimentem-me pouco.

    3. Com o verbo no gerúndio não precedido da preposição em:
  • "...sentia graves acontecimentos tramando-se em torno de mim".
  • "O pão nosso de cada dia dai-nos hoje".

    Mesóclise

    Coloca-se o pronome no meio do verbo: (a) quando o verbo estiver no futuro; (b) quando iniciar a frase; e (c) quando antes dele não houver palavra atrativa:
  • "Dir-lhe-ei tudo o que penso".
  • "Vê-la-ia hoje à noite".
  • *Jorge Viana de Moraes é professor universitário em cursos de graduação e pós-graduação na área de Letras. Atualmente, mestrando em Língua Portuguesa e Filologia pela Universidade de São Paulo.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário