cead20136

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Caatinga

Caatinga

Alunos Online




Aspecto da vegetação da caatinga
Considerado o único bioma exclusivo do Brasil e um dos três espaços semiáridos da América do Sul, a caatinga (“mata branca”, em tupi-guarani) está presente nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, Piauí e Minas Gerais, abrangendo uma área de aproximadamente 750 mil quilômetros quadrados.
Com predominância do clima semiárido, as temperaturas médias anuais são elevadas, variando entre 25 °C e 29 °C. As secas são bastante prolongadas, podendo durar até sete meses, incluindo todo o inverno e parte do outono e da primavera. A média anual de precipitações (chuva) varia entre 268 e 888 mm. As chuvas são mais comuns no início do ano (verão) e o poder de recuperação do bioma é muito rápido; surgem pequenas plantas e as árvores ficam cobertas de folhas.
Com solo raso e pedregoso, a vegetação da caatinga é composta por plantas adaptadas à aridez (xerófilas). Algumas armazenam água, outras possuem raízes superficiais para captar o máximo de água da chuva e do lençol freático, além daquelas que contam com recursos pra diminuir a transpiração (espinhos e poucas folhas). Entre as representantes da vegetação da caatinga estão: xiquexique, mandacaru, faveiro, catingueira, macambira, cacheiros, palmatória-de-espinhos, juazeiro, umburana, umbuzeiro, aroeira e a braúna.

Asa-branca
Ao contrário do que muitos pensam, a fauna da caatinga é bastante diversificada, formada por vários insetos, répteis (cobras e lagartos), roedores, aracnídeos, cachorros- do-mato, arara-azul, sapo-cururu, asa-branca, cutia, gambá, preá, veado-catingueiro, tatupeba, sagui-do-nordeste, entre outros.
Cerca de 25 milhões de pessoas habitam as áreas da caatinga. Essa ocupação já alterou mais de 80% da cobertura original do bioma, que atualmente possui 1% de sua área protegida por unidades de conservação. A agricultura, a pecuária extensiva e o extrativismo são algumas das atividades responsáveis pela destruição da caatinga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário