cead20136

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Crise de 29

Colégio Estadual Dinah Gonçalves
email accbarroso@hotmail.com        

Crise de 29

Tiago Dantas


A Crise de 29 provocou o desemprego de mais de 12 milhões de norte-americanos.
Nas primeiras décadas do século XX, os EUA passavam por uma fase de grande crescimento econômico, alavancando a economia do mundo inteiro. Contudo, os Estados Unidos começaram a encontrar sérias dificuldades econômicas a partir de 1925, devido, principalmente, ao fato dos salários não terem acompanhado o aumento da produção. Assim, havia muitos produtos, porém não havia quem comprasse, pois os salários eram pequenos e os empregos foram reduzidos, gerando assim, uma superprodução e uma crise no sistema econômico.

Os agricultores passaram a pegar empréstimos para armazenar seus produtos, não davam conta de pagar e perdiam suas terras. As indústrias, sem consumidores, foram obrigadas a reduzir sua produção e demitir milhares de funcionários. Obviamente toda essa crise chegou ao mercado de ações, ocasionando o “crash” (quebra), pois o preço de suas ações caia constantemente. Assim, diversos bancos, seguradoras, indústrias, foram a falência, provocando o desemprego de mais de 12 milhões de norte-americanos.

A crise afetou o mundo todo. Se os EUA, que eram os principais consumidores de inúmeros produtos no mundo inteiro, estavam passando por problemas financeiros enormes, não haveria mais quem comprasse tais produtos, desencadeando a diminuição da produção e o desemprego em todo o mundo.

A solução para a crise foi a mudança na política econômica americana empregada pelo presidente eleito Franklin Roosevelt. Roosevelt propôs que o Estado deveria atuar e reger a economia, contrariando a idéia do liberalismo econômico. Assim, após a criação de grandes obras de infra-estrutura, salário-desemprego, assistência aos trabalhadores, concessão de empréstimos, os Estados Unidos conseguiram retomar seu crescimento econômico gradativamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário