articulador 1

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Radicais








extraido de www.matematicamuitofacil.com

Concordância Pronominal


Próclise (antes do verbo)

A próclise é usada Quand, antes do verbo, houver UMA Palavra que tenha Força atrativa sobre o pronome oblíquo (PO). Tais palavras, às Quai podemos chamar de fatores de próclise (FP), São principalmente:

A próclise é comum nos seguintes casos:

1. Quand o verbo continua UM partícula negativa: Não, nunca, jamais, nada, ninguém. Exemplos:

Não nos responsabilizar por sua atitude rebelde.
Nunca se acusou UM cliente por êsses motivos.
Um vendedor de NOSSA empresa jamais se contentará com níveis de faturamento Tao baixos.
O relatório foi bem escrito, mas nada o recomendava como modelo que devêssemos ser imitado.
Ninguém o viu chegar, mas ele ja se encontra na área de trabalho.

2. As orações que se iniciam por pronomes e advérbios interrogativos tambem exigem antecipação do pronome ao verbo:

Por que o Diretor se ausentou Tao cedo?
Como se justificam Essa afirmações?
Quem lhe Disse que o gerente de vendas Não se interessaria por tal fato?

3. As orações subordinadas tambem exigem antecipação do pronome ao verbo.

Embora lhe enviassem relatórios substâncias, nao poderia tomar nenhuma Decisão.
Quand o office-boy o interrogou, ele levantou a cabeça.
Aquela correspondência que se chegou às maus ...

4. Alguns advérbios exercem Força atrativa sobre o pronome: mal, ainda, ja, sempre, apenas, talvez, nao:

Mal se despedir ...
Ainda se ouvirá a voz dos que clamam no deserto.
Já se falou aqui da inconseqüente ...
Você só acredita naquilo por que interêsse.
Os relatórios talvez se abstenham de informar ...
Não se manifestará apoio ao desonesto, corrupto e politiqueiro idealizador De semelhantes comemoração.

5. A Palavra ambos, bem como alguns indefinidos (alguém, todos, tudo, outro, qualque) tambem Ele Força atrativa:

Ambos os funcionários me inquiriram sobre suas férias.
Alguem te dirá aos ouvidos ...
Todos te olharão de esguelha ...
tudo se transformará com o tempo.
Outra secretário se ajustará ao cargo com dificuldade.
Qualque Pessoa se persigna Quand a situação está preta.

6. Nas locuções verbais, se houver negação ou pronome relativo, interrogativo:

Não se pode deixar de fazer ...
Coisas que Podem parar de fazer ...
Por que DEVE fazer esta tarefa?

7. Se o verbo estiver no futuro do presente ou futuro do pretérito, pode-se utilizar a antecipação pronominal:

Eu me dedicarei aos estudos gramaticais Quand ...
Eu me dedicaria aos estudos gramaticais se ...

Pode-se tambem usar mesóclise, mas nao é aconselhável, por revelar-se pedante. Embora o pronome Pessoal do caso desafio Não tenha Força atrativa, é recomendável a próclise para evitar o preciosismo da mesóclise.

8. Se houver vírgula depois do advérbio DEVE ser usado ênclise e próclise Não.

Agora, esquecem-se dos amigos.

Mesóclise

O pronome oblíquo ele vai ficar em mesóclise Quand o verbo estiver no futuro (do presente ou do pretérito).

Dar-me-ei o prazo de ...
Informar-nos-ia ...

Para evitar afetação, recomenda-se buscar a forma menos preciosa de Construção. Coloque-se entao UM pronome Pessoal e antecipa-se o pronome:

Eu me darei o prazo de ...
Eles nos recomendaria ...

Obs: Caso o verbo esteja no futuro, mas antes deles haver UM Fatores de próclise, DEVE ser usado próclise e nao mesóclise.

Dar-te-ei meu apoio. (Mesóclise)
Não te darei meu apoio. (Próclise)

Ênclise

1. Nos casos infinitivos, pode-se postecipar o pronome ao verbo:

O presidente quis enviar-lhe ...
Para Dizer-lhe a verdade ...

Tambem é permitido a Construção:

Para lhe Dizer a verdade ...

2. A ênclise é obrigatória Quand nada atraía o pronome oblíquo:

A Secretaria comecou a interroga-la ...
Admite-se que o operador continue a dígito-lo.

3. O pronome tende a permanecer depois do verbo nas locuções verbais. Portanto, nao fica solto entre os verbos:

A copeira continuou respondendo-lhe às perguntas.
Quand tu pode Dizer-nos ...

Usos dos pronomes oblíquos com as formas nominais

Formas nominais:
Infinitivo: andar, viver etc.
Gerúndio: andando, moradia etc.
Particípio: andado, vivido etc.

Verbo auxiliar + infinitivo

Há várias Construções possiveis:

Devi preparar-me melhor.
v.aux. infin.

Devi-me preparar melhor.
Não devíamos preparar-me melhor.
Não me Devi preparar melhor.
Não devi me preparar melhor.

Verbo auxiliar + gerúndio

Há várias Construções possiveis:

A gasolina foi-se acabando.
A gasolina foi acabando-se.

Verbo auxiliar + particípio

Há várias Construções possiveis:

Eles se haviam esforçado
Eles haviam-se esforçado.

OBServação: Não se coloca pronome oblíquo após particípio:

Eles haviam esforçado-se. (Errado)

OBServações Gerais:

1. Não é recomendável iniciar oração com pronome oblíquo:

Me telefonaram esta manhã de João Pessoa.
Te perguntaram algums Coisa?
Se você esquecer de falar o gerente?

2. O gerúndio determina que o pronome venha antes deles ou depois deles (mas sempre ligado por hífen a UM verbo) Quand em locuções verbais:

A Secretaria ia-se esquecendo de relatar ...
A Secretaria ia esquecendo-se de relatar ...

A gramática tradicional recomenda que o pronome Não fique solto entre os verbos:

A Secretaria ia se esquecendo ...

3. É comum e desejável substituir o pronome possessivo por UM oblíquo:

Queimei seu braço ...
Queimei-lhe o braço ...
Pisei no pé ...
Pisei-lhe o pé ...
www.algosobre.com.br

Sistemas

Um sistema linear é homogêneo Quand os coeficientes, independente de todas as suas equações lineares, São iguais a zero. Esse tipo de sistema possuia cabelo menos UMA solução possivel, pois podemos obter como resultado o terno (0, 0, 0), chamamos de solução nula ou trivial.
Podemos Dizer que UM sistema linear homogêneo é SPD ou SPI.
Será:
SPD: se admitir somente UMA solução trivial.
SPI: se admitir UMA solução trivial e outras soluços.

Generalizando, podemos representar UM sistema linear homogêneo da seguinte forma:

a11x1 + a12x2 + a13x3 + ... + a1nxn = 0
a21x1 + a22x2 + a23x3 + ... + a2nxn = 0

am1x1 + am2x2 + am3x3 + ... + amnxn = 0


Consideremos o sistema:
2x + 2y + 2z = 0
4x - 2y - 2z = 0
2x + 2y - 4z = 0

Ao aplicarmos Sarrus:
2 2 2
4 -2 - 2
2 2 -4

Verificamos que D = 72, portanto D ≠ 0 em = n (m: número de linho em: número de colunas).
Podemos concluir que o sistema é normal.


Obs .: Se temos UM sistema com D = 0 em = n dizemos que ele é possivel e indeterminado ou impossivel.

Análise combinatório

Construindo o Gráfico de uma Função

Colégio Estadual Dinah Gonçalves
email accbarroso@hotmail.com          
     www.accbarrosogestar.wordpress.com

Construindo o Gráfico de uma Função

Marcos Noé


Gráficos
A construção de um gráfico no plano cartesiano representado pela lei de formação geral das funções, dada por y = f(x), com x pertencente ao domínio e y constituindo a imagem, será dada por algumas condições práticas, observe:

* Construir um eixo de coordenadas cartesianas em papel centimetrado ou milimetrado.
* Determinar uma tabela com os possíveis valores do domínio dado por x.
* Calcular o par ordenado (x, y) de acordo com a lei de formação da função em questão.
* Marcar no plano cartesiano os pares ordenados calculados, obedecendo à ordem x (eixo horizontal) e y (eixo vertical).
* Ligar os pontos, constituindo o gráfico da função.


Exemplo 1

Vamos determinar o gráfico da função dada pela seguinte lei de formação: y = f(x) = 2x – 1.
y = 2*(–2) – 1 → y = –4 –1 → y = –5
y = 2*(–1) –1 → y = –2 – 1 → y = –3
y = 2 * 0 – 1 → y = –1
y = 2 * 1 – 1 → y = 2 – 1 → y = 1
y = 2 * 2 – 1 → y = 4 – 1 → y = 3
Exemplo 2

Determinar o gráfico da função dada por y = f(x) = x².


y = (–2)² = 4
y = (–1)² = 1
y = (0)² = 0
y = (1)² = 1
y = (2)² = 4
Exemplo 3

Determinar o gráfico da função dada por y = f(x) = x³.



y = (–1)³ = –1
y = 0³ = 0
y = 1³ = 1
y = 1,5³ = 3,375
y = 2³ = 8


Exemplo 4

Construir o gráfico da função y = f(x) = 4x4 – 5x3 – x2 + x – 1.

y = 4 * (0,5)4 – 5 * (0,5)3 – 0,52 + 0,5 – 1 = 0,25 – 0,625 – 0,25 + 0,5 – 1 = – 1,155
y = 4 * 04 – 5 * 03 – 02 + 0 – 1 = –1
y = 4 * 14 – 5 * 13 – 12 + 1 – 1 = –2

Numeração romana

Colégio Estadual Dinah Gonçalves
email accbarroso@hotmail.com        
      



Esse Sistema de numeração é o mais usado nas escolas, depois do sistema de
numeração decimal. E também na representação de:

• designação de séculos e datas;

• indicação de capítulos e volumes de livros;

• mostradores de alguns relógios, etc.



No Sistema de Numeração Romano é utilizado sete letras (símbolos) que representam os seguintes números:

1 I
5 V
10 X
50 L
100 C
500 D
1000 M

Para formar outros números romanos utiliza-se as letras acima repetindo-as uma, duas ou três vezes (nunca mais de três). Sendo que as letras V, L e D não podem ser repetidas.

2 II
3 III
20 XX
30 XXX
200 CC
300 CCC
2000 MM
3000 MMM

Para formar números diferentes dos citados até agora, devemos saber que as letras I, X e C, colocam-se à esquerda de outras de maior valor para representar a diferença deles, obedecendo às seguintes regras:

♦ I coloca-se à esquerda de V ou X

♦ X coloca-se à esquerda de L ou C

♦ C coloca-se à esquerda de D ou M

Se colocarmos um símbolo de maior valor primeiro que o de menor valor, somamos os números assim:

VI ( 5 + 1) 6
XIII (10 + 3) 13
LIV (50 + 4) 54
CX (100 + 10) 110

Se colocarmos um símbolo de menor valor primeiro que o de maior valor, diminuímos os números assim:

IV (5 - 1) 4
IX (10 - 1) 9
XL (50 – 10) 40
XC (100 – 10) 90
CD (500 – 100) 400
CM (1000 – 100) 900

Números Decimais

Colégio Estadual Dinah Gonçalves
email accbarroso@hotmail.com        
       



Números Decimais


Os números decimas são largamente utilizados em nosso dia-a-dia. Vejamos uma situação:

Se formos ao supermercado comprar 1 Kg de batatas por R$ 1,32 e pagarmos a compra com uma nota de R$ 2,00, receberemos
R$ 0,68 de troco. Neste exemplo, podemos observar a utilização dos números decimais. Tanto o preço da batata - R$ 1,32, como o
troco recebido são números decimais. Muitas outras situações utilizam os números decimais. Vamos estudá-los.

Fração Decimal


Definimos Fração Decimal como sendo qualquer fração cujo denominador é uma potência de 10. São exemplos de frações decimais :

3/10 que se lê três décimos;
13/100 que se lê treze centésimos ;
29/1 000 que se lê vinte e nove milésimos;
143/10 000 que se lê cento e quarenta e três décimos milésimos

Número Decimal


Toda fração decimal pode ser representada por um número decimal, isto é, um número que tem uma parte inteira e uma parte
decimal, separados por meio de uma vírgula.

A fração: 3/10 pode ser escrita como: 0,3, que se lê 3 décimos, ou de uma forma mais simples como zero vírgula três
( 0 é a parte inteira e 3 é a parte decimal )

A fração: 74/100 pode ser escrita como: 0,74, que se lê 74 centésimos, ou de uma forma mais simples como zero vírgula setenta e
quatro ( 0 é a parte inteira e 74 é a parte decimal )

A fração: 9/1 000 pode ser escrita como: 0,009 que se lê 9 milésimos, ou de uma forma mais simples como zero vírgula zero zero
nove ( 0 é a parte inteira e 009 é a parte decimal )

A fração: 532/100 pode ser escrita como 5,32 : que se lê quinhentos e trinta de dois centésimos, ou de uma forma mais simples
como cinco vírgula trinta e dois e nesse caso temos o algarismo 5 como a parte inteira e 32 como a parte decimal.
Esta notação nos leva a compreender que a fração 532/100 pode ser decomposta da seguinte forma:



Toda fração decimal de numerador unitário é chamada de uma unidade decimal .


Leitura de um número decimal


1ª Forma - Lemos a parte inteira acrescida da palavra inteiros e lemos a parte fracionária acrescida da palavra décimos se ele contiver
uma casa decimal, centésimos se ele contiver duas casa decimais, milésimos se tiver três casas e assim por diante. Se a sua parte
inteira for zero lemos apenas a parte decimal.

Por Exemplo :

O número decimal 0,6 seria lido: 6 décimos
O número decimal 23,4 seria lido: vinte e quatro inteiros e 4 décimos
O número decimal 8,73 seria lido: oito inteiros e setenta e três centésimos.
O número decimal 5,289 seria lido: cinco inteiros e 289 milésimos

2ª Forma - Lemos o número como se ele não tivesse vírgula acrescido da palavra décimos se ele contiver uma casa decimal,
centésimos se ele contiver duas casa decimais, milésimos se tiver três casas e assim por diante. Se a sua parte inteira for zero lemos
apenas a parte decimal.

Por Exemplo :

O número decimal 0,6 seria lido: 6 décimos
O número decimal 23,4 seria lido: duzentos e trinta e quatro décimos
O número decimal 8,73 seria lido: oitocentos e setenta e três centésimos.
O número decimal 5,289 seria lido: cinco mil duzentos e oitenta e nove milésimos

3ª Forma - Lemos a parte inteira acrescentamos a palavra vírgula e lemos por fim a parte decimal. Apesar de não ser considerada uma
forma de leitura de um número decimal, por sua forma mais simples, acaba sendo a forma mais usual de leitura.

Por Exemplo :

O número decimal 0,6 seria lido: zero vírgula seis.
O número decimal 23,4 seria lido: vinte e três vírgula quatro.
O número decimal 8,73 seria lido: oito vírgula setenta e três.
O número decimal 5,289 seria lido: cinco vírgula duzentos e oitenta e nove.

As ordens decimais - Recordemos a denominação das ordens decimais ou casas decimais.



Transformação de uma fração decimal em um número decimal


Vejamos a regra:

Para transformarmos uma fração decimal em um número decimal, toma-se o numerador da fração e coloca-se a vírgula
de tal modo que o número de ordens decimais seja igual ao número de zeros presentes no denominador .


Exemplos :

47/10 = 4,7 A vírgula foi colocada entre o 4 e o 7 já que o denominador tem apenas 1 zero
9/100 = 0,09 O número terá duas casas decimais, o denominador tem apenas 2 zeros
2153/1 000 = 2,153 O número terá três casas decimais, o denominador tem 3 zeros

Transformação de um número decimal em uma fração decimal


Vejamos a regra:

Para transformarmos um número decimal em uma fração decimal, toma-se para numerador o número decimal, sem a vírgula e
para denominador da fração o algarismo 1 seguido de tantos zeros quantas forem as ordens decimais do número.


Exemplos :

3,8 = 38/10 o numerador é 38 e o denominador é o algarismo 1 seguido de 1 zero, já que o número decimal possui uma casa
decimal.

0,21 = 21/100 o numerador é 21 e o denominador é o algarismo 1 seguido de 2 zeros, já que o número decimal possui duas
casas decimais.

65,083 = 65083/1 000 o numerador é 65083 e o denominador é o algarismo 1 seguido de 3 zeros, já que o número decimal
possui três casas decimais.

Observação Importante 1 : Se necessário complemente o número decimal à esquerda, com zeros, deixando um deles à esquerda da
vírgula.

Observação Importante 2 : Para transformarmos uma fração ordinária (fração não decimal) em um número decimal basta dividirmos o
numerador pelo denominador da fração. Esse ítem veremos detalhadamente no decorrer desse capítulo.

Propriedades dos números decimais


Primeira Propriedade : Um número decimal não se altera se acrescentarmos ou suprimirmos zeros colocados à sua direita.
Exemplo : 2,9 = 29/10 = 2,90 = 290/100 = 2,900 = 2 900/1 000 29/10 = 290/100 = 2 900/1 000 frações equivalentes e iguais a,
portanto 2,9 = 2,90 = 2,900

Segunda Propriedade : Para se multiplicar um número decimal por 10 , 100 , 1000 e assim por diante, basta deslocarmos a vírgula
para a direita uma, duas, três casas decimais, ou seja, tantas casas decimais quantos forem os zeros do multiplicador.

Exemplos : 0,35 x 10 = 3,5 ; 1,47 x 10 = 14,7 ; 0,079 x 100 = 7,9 ; 0,9421 x 1.000 = 942,1

Lembremos que :

0,35 x 10 = 35/10 x 10 = 3,50 = 3,5

Terceira Propriedade : Para se dividir um número decimal por 10 , 100 , 1000 e assim por diante, basta deslocarmos a vírgula para
a esquerda uma, duas, três casas decimais, ou seja, tantas casas decimais quantos forem os zeros do divisor.

Comparação de Números Decimais


Vamos aprender agora de que maneira podemos comparar dois ou mais números decimais

1 º Caso : Entre dois números decimais, o maior é o que tiver a maior parte inteira.

Exemplo 1 : 3,94 > 2,60 A parte inteira ( 3 ) do primeiro é maior que a parte inteira ( 2 ) do segundo número.

Exemplo 2 : 0,998 < 1,001 A parte inteira ( 1 ) do primeiro é menor que a parte inteira ( 0 ) do segundo número.

2 º Caso : Entre dois números decimais de mesma parte inteira, o maior é o que tiver a maior parte decimal. Nesse caso precisamos
sempre igualar o número de ordens decimais.

Exemplo 3 : 1,48 > 1,47 A parte decimal ( 48 ) do primeiro é maior que a parte decimal ( 47 ) do segundo número.

Exemplo 4 : 0,09 < 0,121 A parte decimal ( 090 ) do primeiro é menor que a parte decimal ( 121 ) do segundo número. Perceba que
para compararmos números decimais, precisamos igualar o número de casas decimais dos números.

Exercícios Propostos


I - Escreva os números decimais :

01) trinta de dois décimos. 02) novecentos e trinta e sete décimos.
03) um mil e 7 centésimos. 04) setecentos e quatro centésimos.
05) um mil e novecentos e trinta e sete centésimos. 06) quatrocentos e cinqüenta mil e cinqüenta e oito décimos milésimos.
07) seiscentos e quarenta e cinco milésimos. 08) cento e vinte inteiros e trinta e dois milésimos.
09) quatrocentos e noventa e quatro décimos milésimos. 10) quarenta e cinco inteiros e trinta e dois centésimos milésimos.


II - Leia cada um dos números decimais :

11) 23,07 _____________________________________ 12) 105,34 _____________________________________
13) 0,0780 ____________________________________ 14) 1,0045 _____________________________________
15) 51,79 _____________________________________ 16) 283,76 _____________________________________
17) 0,0082 ____________________________________ 18) 3,204 5 _____________________________________


III - Transforme em números decimais cada uma das frações decimais :

19) 7/10 20) 643/10 21) 3/100 22) 216/100
23) 2/1 000 24) 439/1 000 25) 61/10 000 26) 1 467/100 000


IV - Transforme em frações decimais cada um dos números decimais:

27) 0,54 28) 12,68 29) 3,869 30) 78,3
31) 326,10 32) 1,004 33) 1,0031 34) 18,034


V - Transforme em frações decimais cada um das frações ordinárias, multiplicando cada termo da fração por um mesmo número :

35) 3/4 36) 7/20 37) 59/125 38) 237/250 39) 17/80


VI - Efetue :

40) 0,8 X 10 = 41) 0,003 x 100 = 42) 12,96 : 100 = 43) 649 : 1000 =
44) 0,003 x 100 = 45) 3,06 X 1000 = 46) 649 : 1000 = 47) 0,76 : 100 =


VII - Complete as lacunas :

48) 0,23 x _____ = 2,3 49) 0,017 x _____ = 170 50) 325,78 x _____ = 325.780 51) 1,853 x _____ = 185,3
52) 348 : _____ = 34,8 53) 12,59 : _____ = 0,1259 54) 837 : _____ = 0,837 55) 56,8 : _____ = 0,0568


VIII - Escrever, em ordem crescente, os seguintes números decimais :

56) 0,03 ; 0,30 ; 1,40 ; 0,07 ; 2,34 ; 0,89 57) 1,25 ; 2,23 ; 0,97 ; 0,971 ; 2.09 ; 1,253 58) 0,01 ; 0,10 ; 1,01 ; 0,11 ; 0,91 ; 0,019


IX - Escrever, em ordem decrescente, os seguintes números decimais :

59) 0,31 ; 3,01 ; 1,31 ; 0,13 ; 1,13 60) 2,072 ; 3,007 ; 3,070 ; 2,0722 ; 4,001 61) 23,01 ; 22,998 ; 20,763 ; 22,098 ; 22,1


X - Complete as lacunas com os sinais > , < ou = :

62) 28,75 ____ 28,749 63) 0,10 ____ 0,01 64) 0,333 ____ 0,332 65) 1,098 ____ 1,1


www.matematicamuitofacil.com

Vaticano: sede do cristianismo católico

Vaticano: sede do cristianismo católico

Rainer Sousa


O imperador Constantino romano transformou Roma em centro de adoração cristã.
Em muitas matérias que falam sobre a cidade de Jerusalém, vemos que a cidade é considerada como uma importante referência para as crenças judaica, cristã e muçulmana. Ambientando vários episódios que marcam a história de cada uma dessas crenças, a cidade atrai a devoção de religiosos das mais diferentes partes do mundo. Contudo, para os cristãos católicos, esse antigo centro urbano disputa atenção com o Vaticano, sediado no coração de Roma.

Segundo alguns historiadores, a importância dada ao Vaticano remonta o próprio processo de disseminação do cristianismo e a conflituosa relação entre os judeus e romanos daquela época. Após a morte de Jesus, o cristianismo ainda era uma religião minoritária e seus seguidores tinham a penosa e abnegada tarefa de difundir o ideário da nova crença entre as populações que integravam o Império Romano.

No meio tempo em que os apóstolos enfrentavam a dura tarefa de propagar os ensinamentos cristãos, a cidade de Jerusalém se transformava em um imenso campo de batalha gerado pela insubordinação dos judeus às autoridades romanas. Desprovida de qualquer chance de agregar pacificamente os convertidos, a cidade de Jerusalém foi atacada e destruída pelos exércitos romanos nos anos de 70 e 135.

No século IV, o cristianismo havia conquistado o interesse religioso de uma considerável parcela da população imperial. O auge desse processo aconteceu durante o governo do imperador Constantino, que se converteu ao cristianismo e transformou Roma no grande centro difusor dessa religião. Enquanto isso, a famigerada Jerusalém foi transformada em uma cidade pagã conhecida pelo nome de Aelia Capitolina.

A ação estratégica tomada pelo imperador romano acabou sendo de grande importância para que o cristianismo ampliasse suas fronteiras e conseguisse o elaborado grau de organização que marcou a sua trajetória. No século XX, os domínios eclesiásticos em Roma foi ponto central nas discussões que marcaram o impasse territorial que colocava o governo de Benito Mussolini contra os interesses da Santa Sé.

Interessado em formar um governo centralizado, o Estado italiano exigia que a Igreja abrisse mão da autoridade exercida nos vastos territórios controlados desde os tempos das Cruzadas. Com a assinatura do Tratado de Latrão, em 1929, o papa Pio XI reconhecia a autoridade política do governo italiano, que, em contrapartida, transformou o Vaticano em um Estado independente.

Função Quadrática aula 4 Crescente e decrescente

Conjunto

Podemos fazer algumas relações entre conjunto com conjunto, entre conjunto e elemento de um conjunto. Essas relações possuem características específicas e representações próprias. Vamos caracterizar cada uma delas.

• Igualdade de conjuntos

Podemos dizer que dois ou mais conjuntos são iguais se os elementos de um forem idênticos aos dos demais, matematicamente representamos uma igualdade pelo sinal =.

Dado o conjunto A = {0, 1, 2, 3, 4} e o conjunto B = {4, 3, 2, 1, 0}, observando os elementos de cada conjunto percebemos que são idênticos, então podemos
dizer que A = B (A igual a B).

Quando comparamos A e B e eles não são iguais dizemos que são diferentes representados assim A ≠ B.

• Relação de inclusão

Ao comparamos dois conjuntos perceberemos que eles nem sempre serão iguais, mas em alguns casos alguns elementos sim. Por exemplo:
Dado o conjunto A = {-5, -4, -3, -2, -1, 0, 1, 2, 3, 4, 5} e o conjunto B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} eles não são diferentes, mas observando o conjunto B veremos que todos os seus elementos estão dentro do conjunto A.
Essa relação é chamada de inclusão, ou seja, o conjunto B está incluso, contido, no conjunto A. Representada matematicamente por B A (B está contido em A).

Dado o conjunto C = {0, 1, 2, 3} e D = {4, 5, 6, 7}, nesses dois conjuntos não é possível aplicar a relação de inclusão, então dizemos que C D (C não está contido em D), assim como D C (D não está contido em C).

• Relação de Pertinência

Essa relação é utilizada quando comparamos conjunto com elementos. Quando queremos dizer que um elemento qualquer está dentro de um conjunto ou que ele não está no conjunto, dizemos que ele pertence ou não pertence a esse determinado conjunto, veja o exemplo:

Dado o conjunto A = {-8, -4, -2, 0, 1, 2, 3}, podemos dizer que - 4 A ( - 4 pertence a A) e que 5 A ( 5 não pertence a A)

domingo, 14 de julho de 2019

Equação de 2º grau aula 2 com b=0

Equação de 2º grau incompleta aula 1

Briófitas


As briófitas são todas as plantas avasculares (não possuem vasos condutores) de baixa estatura e que se localizam em ambientes úmidos e escuros, incluindo neste grupo, os musgos e plantas fixadas ao solo por meio de rizóides.

A reprodução dessas plantas pode ser assexuada, à custa de gemas ou propágulos, ou sexuada, já que as briófitas possuem dois órgãos reprodutores: anterídeo, que produz o gameta masculino anterozóide, e arquegônio, o qual produz o gameta feminino oosfera.

A água da chuva, ou mesmo o orvalho, leva os anterozóides de uma briófita ao arquegônio de outra, ocorrendo a fecundação. O zigoto sofre mitoses, originando um embrião que permanece no arquegônio. O embrião se desenvolve e forma um esporófito diplóide (2n), preso ao gametófito. Após a produção de esporos (que são responsáveis por outra planta) o esporófito morre e o gametófito permanece, por isso podemos dizer que a fase reprodutora é haplóide (n).

Esses tipos de plantas foram os primeiros a passar do meio aquático para o meio terrestre, por esse motivo, tais plantas possuem uma grande dependência de água líquida para a sua sobrevivência. Por esse motivo, as briófitas são conhecidas como “os anfíbios do reino vegetal”. Geralmente, tais plantas medem menos de 2 cm.
www.mundoeducacao.com.br