cead20136

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Vacinas Mecanismo simples e eficaz na prevenção de doenças Alice Dantas Brites


Algumas vacinas são injetáveis, por meio de seringas ou pistolas
Em 1796, o médico inglês Edward Jenner, observou que as pessoas que ordenhavam vacas, freqüentemente adquiriam uma forma amena de varíola presente nestes animais, a varíola bovina. Constatou também que esses indivíduos raramente contraíam a varíola humana, doença grave, responsável por inúmeras mortes na Europa daquele tempo. Essas observações levaram Jenner a formular a hipótese de que, de alguma forma, a varíola bovina conferia imunidade contra a varíola humana.

Jenner decidiu então realizar um experimento por meio do qual inoculou o pus extraído de feridas de vacas contaminadas em pequenos arranhões no braço de um garoto chamado James Phipps. Nos anos seguintes, Phipps foi exposto inúmeras vezes à varíola e nunca contraiu a doença, comprovando a teoria do médico. A descoberta espalhou-se rapidamente e, apenas quatro anos depois do experimento de Jenner, cerca de 100 mil pessoas já haviam sido vacinadas na Inglaterra.

Pasteur e a vacina
Por muitos anos, essa foi a única forma de imunização conhecida, até que em 1880, o químico francês Louis Pasteur desenvolveu um método para combater um surto de cólera que, naquele ano, matara cerca de 10% da população de galinhas da França.

Pasteur isolou a bactéria causadora de doença, cultivou-a em meios de cultura apropriados, e em seguida a inoculou em aves saudáveis. As galinhas assim tratadas não contraíam mais a doença. Pasteur também desenvolveu a vacina contra a raiva e, em 1885, aplicou-a pela primeira vez em Joseph Meister, um menino que havia sido mordido por um cachorro infectado.

Como as vacinas agem?
Ao ser infectado por um antígeno (substâncias ou microorganismos invasores), o sistema imunitário do organismo desencadeia o processo chamado de resposta imunitária, que, entre outros mecanismos, resulta na produção de anticorpos, uma proteína que neutraliza o antígeno.

Também são produzidas as células de memória que recebem esse nome, pois são capazes de memorizar qual foi o anticorpo utilizado no combate ao invasor. Desta forma, da próxima vez que o organismo for infectado pelo mesmo antígeno, a resposta imunitária será muito mais rápida.

Através das vacinas são injetados antígenos mortos ou inativos que estimulam a produção de anticorpos e de células de memória. Assim, o organismo se torna imune à doença sem tê-la contraído. Existem vacinas tanto para doenças causadas por bactérias, como a tuberculose e a cólera, quanto vacinas para doenças provocadas por vírus como a hepatite e a gripe.

Calendário de vacinas
No caso de algumas doenças, uma única dose de vacina é suficiente para o organismo estar protegido. Em outras, é necessário que se faça um ou mais reforços depois de um determinado período. Às vezes, é recomendável que se tome a vacina antes de entrar em contato com situações de risco, como viajar para áreas que apresentem alguma doença endêmica ou regiões afetadas por surtos de alguma enfermidade.

Este é o caso da vacina contra a febre amarela que, embora deva ser aplicada pela primeira vez aos nove meses de idade, recomenda-se que seja reaplicada em todos os indivíduos que forem viajar para áreas de risco. No entanto, é necessário tomar a vacina 10 dias antes da viagem, pois este é o tempo que ela leva para fazer efeito e proteger efetivamente o organismo contra a doença.

A maioria das vacinas está disponível nos postos de saúde e pode ser aplicada gratuitamente em qualquer época do ano. Algumas são ministradas via oral enquanto outras são injetáveis. A vacinação é um processo simples e capaz de prevenir o contágio de diversas doenças, muitas das quais podem ser letais.

Alguns indivíduos podem apresentar alguns efeitos colaterais após a aplicação da vacina, como febre, inchaço no local da picada e náuseas. No entanto, reações adversas graves são raras e os benefícios da vacinação superam os riscos de tais efeitos. O quadro abaixo é um calendário que mostra a idade na qual a primeira dose de algumas das principais vacinas deve ser tomada:

Idade

Vacina
Ao nascer

Tuberculose, Hepatite B
2 meses

Paralisia infantil, Difteria, Tétano e Coqueluche
4 meses

Rotávirus
9 meses

Febre amarela
12 meses

Catapora
15 meses

Sarampo, Rubéola e Caxumba
12 anos

Papilomavírus
60 anos ou mais

Gripe

Alice Dantas Brites é professora de biologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário